Toffoli: Judiciário não deve ‘satanizar’ a política


O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), José Antonio Dias Toffoli
O Judiciário não deve “satanizar” a política e os políticos, porque eles representam “a seara do jogo democrático”, disse em Washington o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), José Antonio Dias Toffoli, que defende a necessidade de “prudência” nas decisões da Corte. O ministro afirmou ainda que o combate à corrupção no Brasil não decorre da ação de um juiz, de um promotor ou de um “herói”, mas é fruto de mudanças legislativas que reforçaram a eficácia e o poder dos órgãos de controle. Sem fazer referência a casos concretos, Toffoli afirmou que os integrantes do STF devem ter cautela para não extrapolarem suas funções e acabarem exercendo atribuições que cabem a outros Poderes. “Se quisermos ditar o que é o futuro da sociedade, sem ter o poder político representativo, nós estaremos cometendo um grande equívoco, porque não são 11 cabeças iluminadas, ou meia dúzia, que é o que forma a maioria, que são capazes de discutir o futuro do Brasil”. Toffoli deu as declarações em conferência sobre o combate à corrupção organizada pela American University. O ministro não quis dar entrevista depois do evento. Entre os temas que o STF julgará nas próximas semanas, estão o pedido de habeas corpus contra a eventual prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a possibilidade de prisão depois de sentença condenatória em segunda instância. Em sua exposição, Toffoli fez um histórico de mudanças legislativas recentes que fortaleceram os instrumentos de combate à corrupção no Brasil, entre as quais a Lei Anticorrupção e a que regulamentou o mecanismo da delação premiada. “Essas leis foram aprovadas pelo Congresso Nacional, Congresso Nacional eu citei aqui, que tem dezenas ou centenas de processos em investigação, mas foi este o poder democrático que o fez”, disse, fazendo referência a casos contra parlamentares que estão no STF. “Foram presidentes da República que hoje são investigados ou condenados que fizeram a sanção dessas normas ou que propuseram essas normas. Então eu concluo que nós, juízes, nós não temos que satanizar a política ou os políticos, porque ali é a seara do jogo democrático”. Sem mencionar o juiz Sergio Moro, Toffoli também criticou a personalização dos esforços de combate à corrupção e os apresentou como resultado desse processo de aperfeiçoamento da legislação realizado depois da Constituição de 1988. “Nós não podemos colocar e ter a ideia de que o que está acontecendo hoje no Brasil seja a ideia de um herói. Isso joga contra as instituições”, declarou. “Não é resultado da vontade de uma pessoa, não é resultado da vontade de um juiz ou de um promotor. Não é a vontade de um grupo de membros da magistratura ou do Ministério Público ou da polícia. É muito mais do que isso. É um projeto de Estado, é um projeto de nação, é um projeto de sociedade desenvolvida, democrática, em que os controles acontecem e as instituições funcionam”, afirmou Toffoli. O ministro ressaltou o exemplo de processos contra parlamentares, que até 2001 só podiam ser instaurados no STF com autorização da respectiva casa legislativa. Entre 1924 e 2001, quando emenda constitucional acabou com o requisito, o Supremo analisou apenas seis casos contra senadores ou deputados, observou. Desde que a alteração, o número de processos soma 633. “Muitos parlamentares que votaram a favor dessa emenda hoje são investigados e processados. Inclusive um que era o maior defensor, que era o presidente da Câmara dos Deputados naquela época”, disse Toffoli, referindo-se ao senador Aécio Neves.
Estadão Conteúdo

COMMENTS

Nome

ADEB,1,Bahia,349,Brasil,427,Brasília,1,Camaçari,1,Cláudia Wild,3,Colunista,3,Colunista Jovem,3,Condeúba,5,D'jane Silva,6,Denúncia,24,des,1,Destaque,854,Economia,35,Educacao,11,Elizeu Rosa,19,Entretenimento,58,Esporte,19,Eunápolis,19,Feira de Santana,30,Governador Mangabeira,10,Ilhéus,21,intretenimento,5,Itabuna,23,Jequié,76,Lauro de Freitas,4,Mundo,85,Noticias,1148,Politica,552,Porto Seguro,15,Presidente Tancredo Neves,6,Salvador,428,Saúde,12,Segurança Pública,3,Teixeira de Freitas,22,Vitória da Conquista,33,
ltr
item
Âncora News: Toffoli: Judiciário não deve ‘satanizar’ a política
Toffoli: Judiciário não deve ‘satanizar’ a política
http://www.politicalivre.com.br/wp-content/thumbgen_cache/a7411b599b6987cdd877c6a7e6835288.jpg
Âncora News
http://www.ancoranews.net/2018/02/toffoli-judiciario-nao-deve-satanizar.html
http://www.ancoranews.net/
http://www.ancoranews.net/
http://www.ancoranews.net/2018/02/toffoli-judiciario-nao-deve-satanizar.html
true
563360971225838415
UTF-8
Todas as publicações Não foi encontrada nenhuma postagem VER TUDO Mais informação Resposta Cancelar resposta Delete Por Home PAGES POSTS View All RECOMENDADO PARA VOCÊ LABEL ARQUIVO SEARCH TODAS AS PUBLICAÇÕES Não encontrou nenhuma correspondência de pós com seu pedido Voltar Início Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share. STEP 2: Click the link you shared to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy