Muitas décadas e poucos avanços

Ao longo da história, o país conseguiu colocar quase todas as crianças na sala de aula, mas não venceu o desafio maior: oferecer ensino de qualidade.
1970, 1991, 2008 Analfabetismo, evasão, baixo nível: dificuldades (//VEJA)
No início da década de 60, ler era um privilégio de poucos no Brasil, país vergado sob uma estatística indiscutivelmente vergonhosa: dos 72,2 milhões de habitantes, quase metade dos adultos eram analfabetos. Falar em educação significava, então, encarar a existência de um enorme contingente de brasileiros iletrados. Em sua edição datada de 9 de setembro de 1970, VEJA trazia como assunto da reportagem de capa um gigantesco projeto nacional instituído com a ambição de mudar aquela dura realidade: o Movimento Brasileiro de Alfabetização (Mobral).

Criado em 1967 pela ditadura militar, o Mobral pretendia fazer com que 15 milhões de analfabetos acima de 15 anos — 30% da população adulta em 1970, quando começou a funcionar — adquirissem técnicas de leitura, escrita e cálculo. A promessa do general-presidente da época, Emílio Garrastazu Médici (1905-1985), era acabar com o analfabetismo no Brasil. A reportagem observava que tentativas anteriores de enfrentar o problema, como a Campanha Nacional de Educação de Adolescentes e Adultos (1947), haviam fracassado por um recorrente conjunto de motivos: falta de recursos para implantação e continuação de programas, ausência de planejamento e metas precisas, professores mal preparados, equipamento inadequado e excesso de centralização administrativa e pedagógica.

Não foi diferente com o Mobral. Em seu primeiro ano de funcionamento, o programa teve 7 milhões de alunos matriculados. Ao ser extinto, em novembro de 1985, durante o governo de José Sarney, o Mobral, infectado pelas mesmas pragas de sempre, havia diplomado menos da metade dos 40 milhões de iletrados que passaram por suas salas e reduzido em apenas 2,7% o índice de analfabetismo no país. O Brasil chegaria aos anos 1990 com 45 milhões de analfabetos.
TURMA PEQUENA - O Brasil da década de 70: a matrícula já era obrigatória, mas 33% da garotada estava fora das classes (Clodomir Bezerra/VEJA)
TURMA PEQUENA - O Brasil da década de 70: a matrícula já era obrigatória, mas 33% da garotada estava fora das classes

Para agravar o quadro, aquele foi o período em que a economia mundial começou a demandar maior qualificação profissional. Enquanto isso, andava-se para trás no país: dos 22 milhões de estudantes que se matricularam na escola em 1982, pouco mais de 3 milhões chegaram ao ensino médio. O drama da evasão foi tema da capa de VEJA de 20 de novembro daquele ano. O texto afirmava que a deplorável situação do aprendizado por aqui havia sido posta em evidência no âmbito da Conferência Mundial de Educação para Todos, iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Banco Mundial. Nela, os 155 governos representados, entre eles o brasileiro, comprometeram-se a implementar um plano de dez anos destinado a assegurar ensino básico de qualidade a todos. O projeto traçava os rumos que a educação deveria tomar nos países com os piores indicadores — o Brasil figurava na lista, ao lado de Bangladesh, China, Egito, Índia, Indonésia, México, Nigéria e Paquistão.

O próximo esforço nacional em prol do ensino surgiria alguns anos mais tarde, conseguindo, dessa vez, ao menos, colocar as crianças nos bancos escolares e revertendo um quadro em que a pobreza, o desinteresse, a falta de recursos e de escola mantinham 12% delas longe das aulas. Ao chegar à Presidência, em 1995, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso tirou do papel o compromisso assumido na conferência da ONU, regulamentando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. O instrumento previa, entre outras medidas, a elevação progressiva do porcentual do PIB destinado à área, a ampliação do ensino obrigatório para nove anos e a extensão da jornada escolar para sete horas. Essas iniciativas, aliadas a programas como o Bolsa Família — no qual a contrapartida é que os filhos frequentem as aulas —, tiveram ao menos um mérito incontestável: perto de 100% das crianças passaram a ir regularmente à escola.

De volta à questão do analfabetismo: entre 1992 e 2009, a taxa foi cortada em 7,5 pontos porcentuais, caindo para cerca de 10% dos brasileiros (em 2017, o índice era de 7%). Foi um avanço, sem dúvida, mas pálido, se comparado, por exemplo, com o que se verificou na Argentina. Em 1968, a taxa de iletrados no país era quase igual à do Brasil: 38% da população. Em 1995, graças aos avanços de um sistema educacional bem estruturado, a taxa já se encontrava em 3,8% (atualmente está por volta de 2%).

Em que pese o fato de o Brasil ter hoje praticamente todas as crianças na escola, o cenário nacional se revela de novo desanimador quando se constata que tal façanha não foi acompanhada de uma melhora na qualidade do ensino. A reportagem de capa de VEJA de 20 de agosto de 2008 perguntava aos pais: “Você sabe o que estão ensinando a ele?”. A resposta mostrava o altíssimo grau de alheamento das famílias diante da educação. Segundo pesquisa encomendada pela revista, 89% dos pais com filhos matriculados em escolas particulares achavam que seu dinheiro era bem gasto. No entanto, dizia o texto, “o ensino no Brasil é péssimo”. E alertava: “Está formando alunos despreparados para o mundo atual, competitivo, mutante e globalizado”. Estacionado na rabeira dos rankings internacionais de educação, o país de 2008 se situava invariavelmente na 50ª posição, em qualquer avaliação, num conjunto de 57 nações. Dez anos depois, o Brasil continua ostentando notas vermelhas no ensino, como mostra a próxima reportagem.

Fonte: Revista Veja 


from Ebahia News https://ift.tt/2Mw9Ivk

COMMENTS

Nome

ADEB,1,Bahia,347,Brasil,424,Brasília,1,Camaçari,1,Cláudia Wild,3,Colunista,2,Colunista Jovem,3,Condeúba,5,D'jane Silva,6,Denúncia,21,des,1,Destaque,853,Economia,35,Educacao,10,Elizeu Rosa,19,Entretenimento,58,Esporte,18,Eunápolis,19,Feira de Santana,30,Governador Mangabeira,10,Ilhéus,21,intretenimento,5,Itabuna,23,Jequié,76,Lauro de Freitas,4,Mundo,84,Noticias,1146,Politica,551,Porto Seguro,15,Presidente Tancredo Neves,5,Salvador,428,Saúde,12,Segurança Pública,3,Teixeira de Freitas,22,Vitória da Conquista,33,
ltr
item
Âncora News: Muitas décadas e poucos avanços
Muitas décadas e poucos avanços
https://abrilveja.files.wordpress.com/2018/08/untitled-44.jpg
Âncora News
http://www.ancoranews.net/2018/08/muitas-decadas-e-poucos-avancos.html
http://www.ancoranews.net/
http://www.ancoranews.net/
http://www.ancoranews.net/2018/08/muitas-decadas-e-poucos-avancos.html
true
563360971225838415
UTF-8
Todas as publicações Não foi encontrada nenhuma postagem VER TUDO Mais informação Resposta Cancelar resposta Delete Por Home PAGES POSTS View All RECOMENDADO PARA VOCÊ LABEL ARQUIVO SEARCH TODAS AS PUBLICAÇÕES Não encontrou nenhuma correspondência de pós com seu pedido Voltar Início Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share. STEP 2: Click the link you shared to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy